Camping no Kruger! Bom, bonito e barato!

É, chegou a minha vez de acampar! Acostumada pelo menos com hostels, onde há uma cama, teto, as vezes ar condicionado e banheiro privativo, acesso a internet e tal, tive que me despir de toda essa civilização e dormir no meio do mato! Sobre fazer Safari no Kruger National Park na África do Sul, eu já contei pra vocês neste post aqui, agora é hora de falar de camping, ou campismo, como preferirem.

Tá bom, tá bom, o camping no Kruger é protegido e o chão de terra, mais light, mas para marinheiros de primeira viagem é o ideal porque não assusta de vez! hehehe Moisés, ano retrasado atravessou Botswana e acampou em áreas sem nenhuma proteção. Hienas atacaram o acampamento, e eles ficaram sem carne para o resto da viagem, ouviam leões, elefantes e tudo o que a África tem de melhor! Acho que pra eu chegar nesse nível é melhor eu começar com estes mais lights mesmo! 😛

Acampar no Kruger é a forma mais barata de se hospedar nos lodges (alojamentos) e os preços do Skukuza, logde que ficamos, vocês podem conferir aqui. Os locais são protegidos com cercas elétricas para afastar os animais mais assanhadinhos, e isso nos deixa bem mais tranquilos, é claro. Quando chegamos no camping, eu já estava exausta do 1º dia de safari, mas também já havia me preparado psicologicamente para ao menos 1 hora de arrumações entre montar barraca, encher colchão inflável, etc. Pra minha sorte foi muito mais fácil! Moisés já “manja” e o equipamento de camping é super simples, em uns 20 min já estava tudo, ok! 🙂

Foto Oficial do Campsite - Skukuza

O clima de camping é incrível! Já vi o que quero fazer com meus filhos daqui uns 15 anos: vamos ter um trailer e viajar Brasil afora! Vimos dos trailers mais simples aos que já eram a casa “em pessoa”. As famílias juntas, montando suas barracas junto aos trailers, limpando as sujeiras, tocando violão, fazendo churrasco, é tudo bem harmônico e uma vibe muito boa. Na área comum, onde você pode lavar sua louça, usar água quente, ler livros e revistas, etc, as pessoas todas estavam conversando animadas, como uma comunidade de “gentes boas”. Claro que a gente não pôde se misturar muito, afinal, o Português não é de muitos amigos. Faltou mais coragem de arriscar o Inglês, mas nos aguardem, a gente chega lá!

Banheiros no Campsite - Skukuza

Os banhos deixamos para o final do dia, no campsite do lodge Skukuza, os banheiros são divididos em ala masculina e feminina. Tudo limpinho e água quentinha, não precisei de mais nada! Eu sou daquelas que acorda umas duas vezes por noite pra fazer um “pipi”, mas dessa vez segurei firme porque não quis levantar e ir andando até o banheiro que ficava há uns 25 metros da nossa barraca. Acho que esse deve ser um dos pontos ruins de acampar, mas na boa, depois você entra no clima e levanta se for preciso, ou faz atrás da barraca mesmo, afinal você está no meio do mato! 🙂

Para acompanhar a vida animal, é preciso acordar cedo. Foram 3 dias acordando as 4h da manhã, e de madrugada fazia um friozinho, mas nada que se trocar rapidinho dentro da barraca não resolvesse. Fechávamos a barraca e pé na estrada, quando chegávamos estava tudo lá, do jeitinho que deixamos. O Kruger fornece uma estrutura que nem todo o camping tem, por exemplo, tínhamos uma bica com água fresca e tomadas no local onde escolhemos acampar, então pudemos ligar uma luminária, carregar as baterias da câmera, etc. Comer foi tranquilo, como não ficamos muitos dias, deu pra passar com coisas simples como macarrão instantâneo e suco de janta, e lanchinhos e frutas de café da manhã, levamos uma caixa térmica e lá vende gelo. Na hora do almoço, fazíamos uma refeição mais caprichada nos restaurantes dos lodges.

Mas o que eu mais amei mesmo foi o céu estrelado! Eu já fui para lugares menos poluídos que São Paulo, uma parte da minha família por exemplo é do sertão de Santa Catarina, e vivem em fazendas, mas eu nunca vi um céu como aquele. Eram muuuuuitas estrelas, e de tantas, pareciam se “encavalar”, à olho nu parecia que eu tive acesso ao Hubble! Eu sempre andava olhando pra cima a noite, não sei como não tomei uns tombos! Claro que não consegui tirar uma foto, mas peguei essa aqui da internet pra tentar passar a sensação à vocês. Mas na boa, ainda não é isso! 🙂

Dicas por enquanto só tenho duas, já que foi minha 1ª vez: Vá disposto a viver algo mais “roots” e tente se equipar minimamente: barraca, colchão, cobertas, travesseiro, protetor térmico para colocar no chão da barraca e proteger mais do frio, adaptador de tomadas, lanterna e pilhas, caixa térmica, etc. E pra quem gosta aqui vai um link cheio de dicas de campismo no Brasil: http://www.campingclube.com.br/.

Foi uma experiência bacanérrima! E acho que realmente a vida na cidade me encanta cada vez menos. Se você tiver a opotunidade, acampe ao menos uma vez na vida, mesmo que seja pra você chegar a conclusão que não gosta. Mas experimente! 🙂

 Sâmela Silva, direto de Maputo, Moçambique.

Post de boas-vindas | Todos os posts | Perfil | Blog Pessoal | FacebookTwitter

Anúncios

6 responses to this post.

  1. Adoro acampar! Minhas melhores lembranças de criança são da época que ia acampar no litoral norte de SP. Mas a gente não ficava em camping, era em praia deserta mesmo. Uma delícia tomar banho de cachoeira, rsrsrs.
    Me deu vontade de conhecer o Kruger, vou aproveitar meus benefícios na KLM pra tirar uma passagem para lá!
    Beijos 😉

    Responder

    • Eu nunca tinha feito isso, acredita? Mas vou corrigir essa maldade agora e meus filhos q se preparem, por mim vão ser escoteiros! heheheh Se vier passar férias aqui vamos nos ver com certeza, vc vai amar o Kruger! 🙂

      Responder

  2. Que demais!!
    Eu nunca acampei, mas um dia talvez ainda tenha essa experiência.
    Sâmela, mesmo sendo uma área protegida, não deu um friozinho na barriga de imaginar que lá fora tava cheio de leões, elefantes,hienas…? Não sei se teria conseguido relaxar…rsrs
    Bjo 😉

    Responder

    • Faça, Daisy, ainda mais q vc tem filhotes! É muito bacana! 🙂 Olha, não deu medinho não. Na porta do banheiro havia um aviso dizendo pra sempre manter a porta fechada e inspecionar o banheiro antes de relaxar, isso pq animais como as hienas tem uma atividade noturna bem agitada! Rrsr, ler isso me assustou um pouco, pq hienas são fogo, mas depois até esqueci e ficou td certo! 🙂 Era lanterna na mão e pronto!

      Responder

  3. Posted by Suzi Rocha on 05/07/2012 at 6:11 AM

    Ola Samela, imagino mesmo q tenha sido uma experiencia fantástica, eu nunca acampei de barraca, mas vivi aventuras incriveis onde so os corajosos podem ver uma paisagem linda e única. Atualmente moro em Berlin, e fizemos uma travessia nos Alpes, foram 9 dias, saindo da Alemanha ate Italia, mochiläo e nada mais..Pernoitavamos em albergues bem no alto das montanhas, as vezes tinha hoteis qdo estavamos mais embaixo, enfim..vc faz uma vez e todo ano quer repetir e vc q tem filho..Ah, é enriquecedor, e o q ele ver, a experiencia q ele vive, jamais ira aprender na escola. Meu filho tem 1 ano e 6 meses, dak 3 meses iremos fazer c ele um passeio nas montanhas, mas sera de leve, ficaremos mais na parte baixa onde tem Hotel, mas seräo 3 noites em ambientes diferentes, se tiver a oportunidade, mostra p seus filhos, eles iräo amar…Meu filho adora bichos, natureza, passaros, enfim..
    E quem sabe um dia faco um programinha desses ai, ate pq estamos ak ansiosos, meu marido poderá ser transferido p Santa Cruz de La Sierra na Bolivia ou Namíbia no próximo ano,hehehe…
    Bjs!

    Responder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: