A árdua tarefa de contratar uma empregada

Depois de bastante tempo afastada do bloguinho, volto com uma novidade: finalmente consegui contratar uma empregada doméstica eficiente.

Posso dizer que deu trabalho encontrar uma pessoa que me agradasse e, trabalho maior ainda, colocá-la no meu ritmo.

Empregadas em Hong Kong

No início eu não queria uma empregada fixa, achei que por morar em um apartamento pequeno conseguiria me virar sozinha – que bastava pegar uma faxineira duas vezes por semana que todos os meus problemas estariam solucionados. Só que as coisas não saíram como eu esperava e no final das contas precisei mesmo contratar uma.

O que mais dificultou a minha escolha foi achar que jamais me adaptaria a alguém com costumes tão diferentes dos meus; eu tinha medo de ficar insatisfeita e ter que trocar de funcionária várias vezes. Então, pra evitar esse tipo de problema, decidi arregaçar as mangas e pegar no pesado, ou seja, ensinar TUDO, principalmente preparar comida que não fosse asiática, porque comer comida chinesa todo santo dia estava fora de cogitação … rsrsrs. Eu acabei dando sorte, contratei uma senhorinha muito esforçada, e o “curso de afazeres domésticos” que fui obrigada a ministrar não foi em vão, pois ela aprendeu direitinho.

A maioria das empregadas domésticas vem das Filipinas, dizem que há aproximadamente 160,000 delas trabalhando em Hong Kong, mas há também mulheres da Indonésia, Tailândia e Srilanka. Muitas falam inglês, o que facilita bastante a nossa vida por aqui.

A minha idéia inicial de ter apenas uma  faxineira foi por água abaixo, porque descobri que é ilegal trabalhar como diarista em Hong Kong. Contratar por hora pode gerar um problemão, tanto para a

Empregada filipina protestando em HK

Empregada filipina protestando em HK

empregada (que pode ser deportada) quanto para o empregador. E eu, como morro de medo de ir parar no xilindró, desisti rapidinho dessa loucura, fiz todos os trâmites necessários e legalizei a minha. 😉

Elas não ganham muito, o salário mínimo é  3.900 doláres de Hong Kong, aproximadamente 1.050 reais, mas além do salário recebem também:

– Um seguro de saúde;

– Um quarto (caso não tenhamos espaço em casa, somos obrigados a      pagar um aluguel para que morem fora);

– Uma quantia extra para alimentação.

– Uma viagem  para seu país de origem a cada dois anos.

 

As empregadas trabalham de segunda a sábado, fazem todo o trabalho da casa: limpam, cozinham, lavam, passam, cuidam de crianças, vão ao mercado, passeiam cachorros, etc…

Muitas delas deixam marido, filhos no seu país de origem e ficam aqui trabalhando por anos para economizar e enviar dinheiro para manter a família; elas levam uma vida dura, realmente precisam lutar para conseguir seguir adiante. Há pouco tempo houve uma grande manifestação das empregadas domésticas – elas pediram melhores condições de trabalho e visto permanente em Hong Kong para aquelas que já vivem aqui há muitos anos.

O domingo é seu único dia de folga, nesse dia Hong Kong é invadida por milhares de domésticas, que se juntam em vários pontos da cidade pra conversar, jogar cartas e descansar… Elas passam o domingo inteiro fora de casa e só regressam  à noite.

Empregadas em seu dia de folga

Empregadas em seu dia de folga

A minha ajudante é filipina, já vai fazer seis meses que está comigo, passou o período de teste e foi aprovada. Tenho percebido que com boa vontade e paciência, de ambas as partes, as coisas têm dado certo. Espero que continuem assim e que eu não precise buscar outra durante todo o período que ficarei por aqui. 🙂

Daisy Schäfer, direto de Hong Kong, China.

Post de boas-vindas | Todos os posts | Perfil | Facebook

Anúncios

4 responses to this post.

  1. Nossa Daisy, muito bacana saber como isso funciona aí. Essa imagem delas aproveitando o domingo é muito singular. Como muda de cultura para cultura, né? Sinto muita falta de Dona Tereza, a senhora que trabalhava comigo em Moçambique, além de tudo rola um apego, né? Bjão!

    Responder

  2. Sâmela, o domingo aqui é mesmo uma coisa de louco, eu costumo chamar de “o dia da muvuca”, pq fica realmente lotado de domésticas por todos os lados. As coisas funcionam bem diferente que no Brasil, mas no final a gente termina acostumando e tira de letra toda as exigências.
    E apego algumas vezes rola mesmo, principalmente quando a gente tem crianças e elas se acostumam com a funcionária. Só de pensar na possibilidade de ter que procurar outra e começar tudo de novo me deixa desanimada…rsrs
    Beijo 😉

    Responder

  3. Amigaaaaaaa!!! Nao sabia que voce dava aulas de “prendas domésticas “tambem!!rsrsr..ainda que, crio que foi particularmente “obrigada” a faze-lo, nesse caso né… mas sei que voce tirou de letra!! Só fico imaginando como deve ser a carinha dessa senhora que trabalha aí com voce…rsrs.. Fico feliz que siga por aqui! Seus posts sao muito interessantes! Beijoks 😉

    Responder

  4. Pois é, Re, aqui em HK precisei fazer doutorado em prendas domésticas, não teve jeito mesmo…KKKKK
    Obrigada pelo comentário e apareça sempre que puder.
    Beijos 😉

    Responder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: